12 e 13 outubro 2019

Auditório da Escola Superior de Tecnologia e Gestão/IPG
Instituto Politécnico da Guarda e Aldeia de Videmonte

Programa Dia 12

8:15h

Abertura do Secretariado


9:00h

Sessão de Abertura


9:15h

Vitor Freitas

"Paisagens de Memória"


9:45h

Victorino García Calderón

"Fotografía y compromiso en el mundo de hoy"


10:15h

Apresentação marca Olympus

"Novidades Tecnológicas"


10:30h

Coffee Break

Inauguração de Exposição de Fotografia
"Imagem e Território"


11:00h

Luís Quinta (Olympus)

"Natureza Portuguesa by Olympus"


12:30h

Almoço


14:30h

Anne Amaral

"Quinta do Monte
Projeto de Artes Plásticas e Multimédia, Fotografia documental"


15:00h

Leonel de Castro (Fujifilm)

Tema 1: "Os Trabalhos e os Dias"
Tema 2: "Hollywood"
Tema 3: "Almas"


16:30h

Coffee Break


17:00h

Alfredo Cunha

"Alfredo Cunha, 50 anos a fotografar, o que mudou na fotografia?"


18:30h

Sessão de Encerramento



Durante o evento estará patente uma
Exposição de Equipamentos Fotográficos

Programa Dia 13 | Passeio Fotográfico

9:30h

Concentração na Aldeia de Videmonte (Guarda)


10:00h

Passeio por Videmonte / Quinta da Taberna


13:00h

Almoço na aldeia dos Trinta


Oradores

foto de perfil de Alfredo Cunha

Alfredo Cunha

Alfredo Cunha, 50 anos a fotografar, o que mudou na fotografia?

Alfredo Cunha nasceu em 1953, em Celorico da Beira.
Em 1970 iniciou a sua carreira profissional em fotografia publicitária e comercial e no ano seguinte, em 1971, a sua carreira de fotojornalista no "Notícias da Amadora". Colaborou com o Jornal "O Século" e "O Século Ilustrado" (1972), a Agência de Notícias Português - ANOP (1977) e as agências de Notícias de Portugal (1982) e Lusa (1987).
Foi fotógrafo Oficial dos Presidentes da República, Ramalho Eanes e Mário Sores, em 1996 recebeu a Comenda da Ordem do Infante D. Henrique.
Trabalhou no Jornal "Público" como fotógrafo e editor-chefe entre 1989 e 1997, e integrou o grupo Edipresse como fotógrafo-chefe. Em 2000 começou a trabalhar na revista semanal Focus. Em 2002 colaborou com Ana Sousa Dias no programa de TV "Por Outro Lado" na RTP2. Entre 2003 e 2009 foi fotógrafo e editor-chefe do "Jornal de Notícias". De 2010 a 2012 foi diretor fotográfico da "Global Imagens". Atualmente trabalha como freelancer desenvolvendo projetos editoriais.
Do seu percurso destacam-se as emblemáticas séries de fotografias dedicadas ao 25 de Abril de 1974, a descolonização portuguesa em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, S. Tomé, Timor-Leste e Cabo Verde, o trabalho fotográfico sobre o PREC (Processo Revolucionário em curso, 1974-1975), a queda de Nicolae Ceausescu na Roménia (1989) e acompanhou as tropas portuguesas na guerra do Iraque (2003).
Publicou diversos livros de fotografia entre os quais "Raízes da Nossa Força" (1972), "Vidas Alheias" (1975), "Disparos" (1976), "Naquele Tempo" (1995), "O Melhor Café" (1996), "Porto de Mar" (1998), "77 Fotografias e um Retrato" (1999), "Cidade das Pontes" (2001), "Cuidado com as crianças" (2003), "Cortina dos Dias" (2012), “O grande incendio do Chiado” (2013), “Os rapazes dos tanques“ (2014) e “Toda a Esperança do mundo” (2015), “ Felicidade” 2016, Fátima, enquanto houver Portugueses 2017, Mário Soares, 2017, “Retratos 1970-2018”.

foto de perfil de Luís Quinta

Luís Quinta (Olympus)

Natureza Portuguesa by Olympus

O multipremiado fotógrafo e realizador de história natural, Luí­s Quinta é colaborador regular da National Geographic Magazine e da revista Visão. Publicou mais de um milhar de artigos e reportagens na imprensa nacional. Diversos artigos e imagens publicadas na imprensa internacional. Autor de vários livros e colaborador em muitos outros, com destaque para "Luis Quinta 25 anos a Fotografar" Outubro 2013 - Produzido pela Câmara Municipal de Almada.
Formador na área da fotografia e cinegrafia de natureza em ambiente terrestre e subaquático. Integrou o "Dream Team" do maior projecto fotográfico sobre natureza na Europa - "Wild Wonders of Europe” financiado pela National Geographic.
Vários prémios de grande destaque em concursos de fotografia de natureza em Portugal e no Mundo. No ano de 2017 recebeu uma menção honrosa na categoria “Nature Studio’s” no European Wildlife Photographer of the Year - com uma imagem captada na praia da Fonte da Telha. Muitas das imagens de Luís Quinta tem sido usadas por universidades e museus para várias publicações científicas e suporte pedagógico. Tem proferido inúmeras conferências e palestras por todo o pais, incluindo muitas Universidades, bem como em festivais no estrangeiro.
Ao longo de 30 anos de carreira realizou inúmeras exposições de fotografia individuais e colaborou em muitas outras, em Portugal e pelo Mundo. (8 grandes exposições individuais, a mais recente - 2017 - “Sinfonia de Neptuno” sobre as ondas da Frente Atlântica de Almada). Co-autor dos filmes de história natural para TV:
 - "Arrábida da serra ao mar" 2013 - 50'
 - "Almada entre o rio e o mar" 2014 - 50'
 - "Reino Maravilhoso - Por terras do Alvão e do Marão" 2016 - 50’
 - “Mar da Minha Terra - Almada Atlântica” 2019 - 46’!

foto de perfil de Leonel de Castro

Leonel de Castro (Fujifilm)

Tema 1: Os Trabalhos e os Dias.
Tema 2: Hollywood.
Tema 3: Almas.

Leonel de Castro, desde sempre ligado ao fotojornalismo no Jornal de Notícias e no grupo onde se insere, Global Notícias (Notícias Magazine, Volta ao Mundo, Evasões, Diário de Notícias e o Jogo).
Leonel de Castro tem colecionado diversos prémios e distinções ao longo da carreira profissional.
Dos prémios Visão ao Prémio de Fotojornalismo Fuji Portugal, Estação Imagem e da Society for News Design, que cumula com os prémios Pacheco de Miranda para reportagens que efectuou em Timor Leste, na África do Sul e nos EUA.
Os seus trabalhos têm também dado corpo a várias exposições, quer individuais quer colectivas, e publicações como Pare, Escute, Olhe (Civilização Editora), Minhotos de Pele Salgada (Estação Imagem), Lugares Alentejanos na Literatura Portuguesa (Estação Imagem) ou Um Território Musealizado – Museu da Memória Rural.
A par do fotojornalismo, tem-se dedicado também à docência, no Instituto Português de Fotografia, na Escola Superior Artística do Porto e no Mestrado de Comunicação da Universidade do Minho.
É licenciado em Comunicação Social pela Escola Superior de Jornalismo, completou também o curso de Fotografia na Escola Superior Artística do Porto, e actualmente é doutorando na Universidade do Minho.

foto de perfil de Victorino García Calderón

Victorino García Calderón

Fotografía y compromiso en el mundo de hoy

Nacido en 1953 en Retortillo, provincia de Salamanca, licenciado en Bellas Artes por la Universidad de Sevilla, en 1973 cambié los pinceles por la fotografía, arte por el que siento pasión, a raíz de ver una exposición en la galería Varrón del gran maestro salmantino José Núñez Larraz del que aprendí, sobre todo, que el arte de la fotografía está fundamentalmente en la mirada. Él me enseñó a mirar, sobre todo sin cámara.
Hoy, transcurridos los años, sigo siendo fiel a este concepto y, sobre todo, a observar sintiendo lo que miro y fotografío. Desde el comienzo hasta hoy, he utilizado distintos modos de expresión que van desde la abstracción pura a la instalación, pasando por el reportaje tradicional, siempre con un sentido social.
El retrato, el paisaje y el bodegón, entre otros temas, no han tenido secretos para mi. Tampoco los tienen las últimas propuestas realizadas más acordes con los tiempos actuales y en las que, sin desdeñar la estética, planteo una reflexión sobre el cambio de modo de vida que está afectando a la sociedad actual y que conlleva el desmantelamiento de las relaciones humanas, industriales, comerciales, políticas y sociales, tal y como se entendieron en gran parte del siglo XX y que están dejando paso a una sociedad más individualista y tecnológicamente hambrienta en la que estamos inmersos en estos momentos. Esto se puede comprobar en trabajos como “La Raya Rota” , “Con Cien Ojos” o “Sombras de la Memoria”.
Impartí clases el año 1978 en la Escuela de Artes de Salamanca y de Dibujo y Comunicación Audiovisual en diversos institutos de EE.MM de Alba de Tormes, Toro y Coslada (Madrid) desde el año 1979 hasta 1989. Desde ese año lo hice en el Instituto de Enseñanza Secundaria “ VAGUADA DE LA PALMA” de Salamanca hasta que en 2013 pedí la jubilación.
Así mismo he colaborado con un artículo semanal de Opinión y/o publicado fotografías en el diario digital Tribuna y Salamanca Rtv al Día durante varios años. Actualmente me dedico a la producción incesante de obra fotográfica y soy miembro asiduo de varios jurados de concursos internacionales de fotografía en España y Portugal.

foto de perfil de Anne Amaral

Anne Amaral

Quinta do Monte - Projeto de Artes Plásticas e Multimédia, Fotografia documental

Anne Amaral nasceu em 1993 e é natural de Sátão, Viseu. Licenciada em Artes Plásticas e Multimédia pelo Instituto Politécnico de Viseu, é atualmente designer e gestora de redes sociais da Energy Urban Stores.
Em criança ouvia muitos sermões por tirar demasiadas fotografias e gastar demasiado dinheiro em rolos! No verão de 2013 começa a trabalhar numa loja de fotografia e inicia um grande processo de aprendizagem.
As pessoas são o seu foco, por isso o retrato e a fotografia documental são a sua área de expressão. Assim nasce a sua grande paixão pela fotografia!

foto de perfil de Vitor Freitas

Vítor Freitas

Paisagens de Memória

Vítor Freitas é artista plástico, ator e encenador. Em 2017 finaliza o curso de artes plásticas na Escola Superior de artes e Design das Caldas da Rainha. Expõe regularmente desde 2014, destacando-se a participação na Bienal de Cerveira e varias participações nos ciclos de performance da Eletricidade Estética. Correntemente divide o seu tempo entre a direção artística do Aquilo Teatro e o desenvolvimento de trabalho de investigação na área da performance e escultura.

logo da marca Olympus

Apresentação marca Olympus

Novidades Tecnológicas

Fundada precisamente no dia 12 de Outubro de 1919, a Olympus comemora este ano seu centésimo aniversário e a sua apresentação durante estas jornadas de fotografia versam precisamente a evolução tecnológica que a marca trouxe ao mercado fotográfico e não só ao longo destes seus cem anos de vida.
Desde o primeiro Microscópio até ás mais recentes tecnologias digitais aonde se insere o próprio sistema Mirrorless em si, abordaremos toda a história e desenvolvimento que a marca Olympus aportou ao mercado.

Contactos

Telefone

Instituto Politécnico da Guarda

271 220 100

Email

fotoclubedaguarda@gmail.com

gic@ipg.pt

Localização

Instituto Politécnico da Guarda

Escola Superior de Tecnologia e Gestão

Avenida Dr. Francisco Sá Carneiro, n.º 50
6300-559 Guarda

Organização

Apoios